segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Biqueira Literária - Repressão aos poetas da periferia nas ruas da Flip 2012 (Paraty)



Escritores da literatura marginal-periférica sofrem ameaças e são reprimidos na FLIP (Festa Literária Internacional de Paraty) 2012, que de grande evento cultural, se transforma a cada ano na "passarela" da poesia.

Realização:
Mundo em Foco
Os Mesquiteiros
Inquérito
Projeto Marginaliaria

Agradecimentos:
Poesia Maloqueirista, pela parceria.
William Marchiori, pelo empréstimo do óculos-câmera.
E a todos que tornaram essa viagem e esse vídeo possível.

BIQUEIRA LITERÁRIA
(Rodrigo Ciríaco)

Vendo pó
Vendo pó...
Vendo pó...esia!

Tem papel de 10
Papel de 15, papel de 20

Com dedicatória do autor
Ainda vivo
Promete morrer cedo
Só pra valorizar a obra

Aliás, você:
Gosta de autores vivos
Ou nem mortos?

Vâmo lá, vâmo lá
Na minha mão é mais barato!

Prometo que vai
Com dedicatória e orelha
A do autor, não a alheia

Na nossa biqueira literária
Pó...esia é prato farto, mesa cheia

Deixar os malucos chapados
É nosso barato

Vendo pó
Vendo pó...
Vendo pó...esia

"Xii, corre, corre, Tio
A casa caiu"

O pré-feito
Pré-conceito de ser pó-lítico
(mal fabricado)
Não chapou no tró-cadilho
Quis dar uma de caudilho, senhor de engenho,
capitão-do-mato
- calma, rapaz: toma aqui esse baseado --

Fatos reais:
Causou furdúncio, ficou bravo
Mandou guarda, jornalista, segurança
Pra quebrar a banca,
armar barraco

Exigiu alvará de funcionamento
Da biqueira!
- que doidêra --

Cagou ordem, vomitou decretos
Citou: lei orgânica
Perturbação da ordem pública
Destruição do patrimônio histórico
Código de postura do município
- que mentira, que bobeira --

Só pra destruir a nossa brincadeira
Nossa lírica zoeira, de gritar:

Vendo pó
Vendo pó...
Vendo pó...esia

E querem nos deixar apenas no

Cheiro pó
Cheiro pó...
Cheiro pó...eira

Que besteira
Nem me venha com
Asneira
Meu produto é de primeira
Ninguém vai fechar
Meu bico
Nem minha biqueira
Pois eu só:

Vendo pó
Vendo pó...
Vendo pó...esia!