terça-feira, 20 de novembro de 2012

CARETICE DO CARALHO

É NODA! — #11 

 


CARETICE DO CARALHO
 
“Executarei,/ sem pena// Este tipo de gente/ de alma pequena”
(Marcelino Freire)


A) EROTISMO?

Olha, sinceramente, meu pau não responderia assim de imediato se alguém pedir que eu umedeça com movimentos linguais a flor salobra entre as suas pernas trêmulas prestes ao êxtase. Ah, é pra chupar buceta, é? Tudo bem, tranquilo, concordo. Se achegue, danada!
Cuzinho, xoxotinha, rola, pentelho, boquete, trepada, chupada. Não tem nada de chulo quando os termos são usados no poema nosso de cada dia. Quem foi @ sem vida sexual que inventou que isso não era bonito? Momento merchan: diz Célio Lima no seu futuro lançamento no Castanha Mecânica: “PO!S MEU PEN!S TE ACHA PERFE!TA/ TANTO DE BOCA,/ TANTO DE BUNDA,/ COMO DE BUCETA”.
Tudo que é autêntico me seduz. Nunca falei em vulva pra nenhuma companheira temporária, por quê essa palavra entraria no meu verso? Vamos viver o hoje com as palavras de hoje, e esquecer do ontem (um pouco, ao menos). É possível sair do ridículo e da piadinha com a tabaquinha ou a cacetão de alguém. Basta trabalhar naturalmente, com o cotidiano de nosso vocabulário. O leitor reconhece o que não é forçação de barra. Você perdeu, poeta preguiçoso. E careta.


B) VIGILÂNCIA CULTURAL

Que as minorias se levantem. Sou negão e estou aí dando cacetada em quem é racista. Sou homem heterossexual e tô aí dando cacetada em quem é machista e homofóbico (alguns estão até dentro de mim, admito). Mas agora é o seguinte, se for pra ficar com eufemismo, que se foda pra lá.
Ou se mata a chaga pela raiz ou a gente fica aqui fingindo que o preconceito não existe em meio a um vocabulário bonitinho e politicamente correto.
Fico aqui vibrando com as cacetadas que Monteiro Lobato anda levando. Já está na hora de tirar os deuses do altar. Explico. O que observo não é a questão se o careta lá é racista ou não (é claro que ele é). O fato de haver uma corrente popular exigindo revisão é muito digna. Tudo bem, tranquilo, concordo. E que se contamine mesmo. Ah, daqui a pouco os criadores de circo de pulgas vão querer o seu lugar! E daí, camarada? A igualdade te assusta?
É uma caretice do caralho ficar patrulhando obras literárias em busca de algo pro mais novo mimimi da vez. É outra caretice do caralho defender um ídolo da literatura. Pau em todo mundo, seus caretas!

__________



http://poetasdemarte.blogspot.com.br/2012/11/e-noda-11.html