sábado, 30 de março de 2013

FRANCISCO l - por NEVINO ROCCO



                A escolha do novo papa desmentiu os bruxos, os vaticanistas, as cartomantes, os horoscopistas, os ciganos e toda a mídia. Ninguém adivinhou! Parece que a boataria midiática restou vencida pelo saber e pela responsabilidade dos cardeais legitimados para o conclave.  Detentores de opiniões próprias elegeram aquele que, entre si, mereceu a promoção! Toda pressão da mídia esvaiu-se de vez. Inspiração do Espírito Santo ou lógica do Direito Canônico?  Deus sabe!
                Pelo nome que adotou, de nenhum antecessor, acenou com a diferença. Depois, ao dispensar pompas e luxo, sugeriu aos que o elegeram que peçam perdão por isso... A Igreja não muda e continuará a mesma, mas a perseverança toma outros ares.
                Para a escolha do Sumo Pontífice, inadmitidos analfabetos, adolescentes, idosos e boateiros, nem com instrução superior PhD, os especuladores só poderiam ser, como sempre foram, derrotados e desmentidos!
                Parece ter sucedido como na economia que, fruto das desgraças de uns (gripe aviária na Ásia, vaca louca na Europa, verão ardente na Europa, tsunami  no Japão etc. e  tal) ao tempo de graças de outros (farta colheita e disponibilidade do Brasil, Rússia, China e Índia), a economia, repita-se, venceu todas as estimativas oficiais e oficiosas, bem como as previsões dos técnicos e dos bruxos,  ao ponto de transformar  estados pobres em emergentes, origem dos chamados BRICs, alegria de políticos hábeis em cortesias com chapéu alheio, herdeiros dessa sorte.
                E na escolha do Papa não foi diferente. Apostaram e promoveram os que ficaram...

Nevino Antônio Rocco é advogado em São Bernardo do Campo/SP.



Fonte: Texto enviando por e-mail em 15/03/2013, publicado com autorização do autor.