segunda-feira, 27 de abril de 2015

nu


e dá-se tudo num momento


crónicas da xávega (61)

nu

entrego-te tudo
para que faças o que não fiz
digas o que não escrevi
sejas o que nunca consegui

entrego-te tudo e fico assim
sentado à beira nada
esperando o que à praia der

nu

(torreira; companha do marco; 2012)

https://ahcravo.wordpress.com/2015/04/27/cronicas-da-xavega-61/