segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

a vida está cheia de mortes

a teresa, a cacilda e a olívia (falecida)



crónicas da xávega (117)


as mortes da vida

os dias são imensos
plenos de areia e mar
sal suor mãos peixe

como se penas as escamas
fazem delas aves
poisadas na beira mar
debicando peixes

são as mulheres da torreira
que à torreira do sol
ganham o quinhão de pão

chamo-as pelo nome
e a olívia
responde-me da memória

a vida está cheia de mortes

(torreira; companha do marco; 2012)

a teresa, a cacilda e a olívia (falecida)

http://ahcravo.com/2015/12/14/cronicas-da-xavega-117/