sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

continuar


"andar à vara"



os moliceiros têm vela (167)


continuar

o que resta de mim
é o haver ainda
uma flor por nascer
outras que pouco vejo
mas sinto minhas

abro os olhos cansado
cada dia mais seco

agarro-me às raízes
enterradas fundo no mar
ao moliço da ria antiga
vara espetada no lodo dos dias
empurrando um casco velho

abro os olhos cansado
cada dia mais seco

reinvento-me para continuar

(torreira; regata do s. paio; 2010)

http://ahcravo.com/2015/12/04/os-moliceiros-tem-vela-167/