segunda-feira, 21 de setembro de 2020

o silêncio é uma vela

 





começas a escrever os dias
a repetir a palavra ontem
cada dia mais vazia de vida
mais cheia de memória

em ti habitam os que partiram
em ti se demoram
no sobrevoar da ria tão deles

olhas como te ensinaram
e lembras os nomes os rostos
ainda ouves as vozes

o silêncio é um barco
e tu a vela que o tempo enche


(torreira; regata do s. paio; 2020)

https://ahcravo.com/2020/09/21/postais-da-ria-365/

Convite Sarau Popular do Mova

MEIRE


Tenho um poema entalado na garganta.
Um poema de amor e de saudades.
Tenho um poema entalado na garganta,
Como um carro atolado na Marginal.
Tenho um poema entalado na garganta,
Com uma vontade doida de gritar seu nome.
Tenho um poema entalado na garganta
E o gosto do seu beijo em minha boca.





Carlos Galdino

sábado, 19 de setembro de 2020

quinta-feira, 17 de setembro de 2020

era uma vez

 




na bica da proa o sonho
navegou ria fora velas
enfunadas

brancas sempre brancas
poiso de palavras
de desejos

branca a espuma à ré
marca de nada mais
também eu

(torreira; regata do s. paio; 2020)

https://ahcravo.com/2020/09/17/os-moliceiros-tem-vela-422/

terça-feira, 15 de setembro de 2020

Viagem ao Centro do Nada

O translúcido daquele verde-esmeralda ofuscava sua razão.
Preferiu recolher-se aos mares da insanidade que o rodeavam
nas noites de exaustão em delírio.
Suores à parte,
o martírio repetia-se em sonhos num pulsar de ilusões.
Em tempos de superficialidades,
profundo seria inapropriado,
até mesmo inconveniente,
quem sabe impróprio ao seu mergulho
num abissal de amor.
Desprotegido,
sufocou-se nos suspiros do sal das lágrimas,
marinas apáticas,
cais das lamentações.
Despertou a tempo de reencontrar-se além do horizonte
numa desconcertante viagem
ao centro do nada.

©rosangelaSgoldoni
RL T 7 049 739
Classificado em primeiro lugar na Antologia Sem Fronteiras pelo Mundo 2020 (categoria verso), vol. 5, lançada na Feira do Livro de Lisboa.




à companha dos leais

 



as flores
também crescem no mar
libertas de vasos e terras duras
passam o tempo agora
a sonhar

os livros
escreve-os o olhar

(leirosa; 2019)

https://ahcravo.com/2020/09/15/cronicas-da-xavega-354/

segunda-feira, 14 de setembro de 2020

Poeta baiano fará o pré-lançamento do seu primeiro livro pela Amazon!


ISBN 978-65-00-08406-1



O poeta macaraniense Manoel Hélio Alves fará o pré-lançamento do seu primeiro livro de poesias em homenagem ao cantor e compositor baiano Raul Santos Seixas (1945-1989) no próximo mês de Outubro, através da Amazon, em dois formatos, e-book e impresso.

O pré-lançamento está previsto para o dia 18 de Outubro de 2020, através da plataforma da Amazon! O livro mais esperado do ano agora estará a sua disposição em dois formatos, digital e impresso.

Segundo o autor só foi possível a realização deste projeto devido as facilidades encontradas atualmente para uma publicação independente, utilizando plataformas como a Amazon para poder divulgar e compartilhar o livro.

O autor vem trabalhando neste projeto desde 1993, e só agora com o avanço da tecnologia e das redes sociais observou que o momento é o mais propício para uma publicação totalmente independente, e utilizar as redes sociais para a divulgação do livro. Devido a pandemia que assola o país, no próximo ano, haverá o lançamento do livro, na primeira semana de Agosto de 2021, na capital paulista, local a confirmar ainda.

O livro Uma Poesia Para Raul segundo o autor é uma singela homenagem de um fã para o seu ídolo, onde a simplicidade norteia todo o seu trabalho... 

SERVIÇO:

LIVRO: Uma Poesia Para Raul (ISBN 978-65-00-08406-1);
EDITORA: Edição do Autor;
PRÉ-LANÇAMENTO: 18 de Outubro de 2020, na AMAZON.
 

 
Porta dos Cafundós, 14 de Setembro de 2020.


 

QUERO


Quero o simples.
Olho no olho,
Mão na mão,
E não importa os desajeitamentos.
Fritar ovo a gente aprende.
Cozinhar a gente treina.
O resto é sentir
E encurtar distancias.
Quem sabe um rolê de fotografia,
Uma jogada rápida,
Um café.
Tenho fé.
Tens a faca.
E amanhã iremos à feira
Comprar laranjas e tempestades.


Carlos Galdino

quinta-feira, 10 de setembro de 2020

mortal

 




cresço no tempo
de onde vou
lentamente
partindo

solares estes dias
lágrima retida
desilusão
sonho

parto e fico

é perigoso estar vivo
mais perigoso respirar
mortal falar

(torreira; regata das bateiras; s. paio; 2020)

https://ahcravo.com/2020/09/10/postais-da-ria-362/

terça-feira, 8 de setembro de 2020

encurralado blues

raízes

 



vêm de longe
trazem nos olhos a limpidez
da ria antiga

homens inteiros
fogem das ribaltas
que outros buscam
a qualquer preço

escondem-se para serem
o que sempre foram
são eles serão sempre eles

as minhas raízes

ti zé rebeço ( torreira; regata s. paio; 2020)

https://ahcravo.com/2020/09/08/os-moliceiros-tem-vela-420/

segunda-feira, 7 de setembro de 2020

UM AMOR ORGÂNICO


Não quero um amor de Internet.
Um amor que só tenha perfil.
Ninguém precisa saber se meu relacionamento é sério.
Tem que ser mais que volúvel.
Tem que ser mais que volátil.
Quero um amor instantâneo,
Pra curtir sem joinha azul.
Conectado só em mim.
Eu sei, leva tempo,
Dá trabalho,
Tem que cuidar.
Regar,
Proteger das pragas.
Sim, dá trabalho,
Leva tempo.
Mas hoje eu quero um amor orgânico


Carlos Galdino