sexta-feira, 20 de outubro de 2017

durmo mal



safam-se as redes, limpa-se o lixo

sei demais
mesmo sabendo pouco

vivi muito
durmo mal

não me digas o que és
poderás iludir-me
com o dizeres-te-me

as ilusões são breves
por isso são

o tempo e tu mesmo
me dirão de ti
o que não me disseste

espero-te sentado
enquanto leio

não sei muito
mas vivi quanto baste
e durmo mal

não me embalas
com cantigas

(torreira; 2017)

safam-se as redes, tira-se o lixo

https://ahcravo.com/2017/10/20/postais-da-ria-224/

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

LANÇAMENTO CABARÉ STAR


INSCREVA-SE NO MEU CANAL NO YOUTUBE


INSCREVA-SE NO MEU CANAL NO YOUTUBE

Ale Seixas e Fabio Bianco - Pra Que Chorar?

ANIVERSÁRIO DO POETA QUINCAS

I SARAU DO BECO DOS POETAS

Manoel Hélio no Talk Show

Sarau do Bar do Povo

Sarau Casa das Rosas

vim de onde






vim de onde quase
tudo ardeu
se de luto os homens
de negro foi a terra
que se vestiu

fumos brancos breves
brotavam das cinzas
memórias do inferno

depois de ter visto
sentido e cheirado
as palavras são só isso

para que não se repita
a espada tem de cortar o fogo
antes de mais fogo haver

há quem ateie agora
o fogo que lhe dá jeito
por mim deixo-os arder nele

(19/10/2017)

https://ahcravo.com/2017/10/19/vim-de-onde/

terça-feira, 17 de outubro de 2017

o meu país



o carregar do saco

o meu país é habitado
mora nas minhas fotos
nas minhas palavras

o meu país é de carne
osso e muito suor
mal pago

o meu país dói-me
e se luto faço
é porque luto
todos  os dias

o meu país
é habitado
ainda

o meu país é de carne
osso e muito suor
mal pago

até quando?

(praia da leirosa; 2017)

https://ahcravo.com/2017/10/17/cronicas-da-xavega-213/

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

há mão humana





o meu país arde
a galiza arde
a europa arde

há mão humana
do início ao fim

há mão humana
nas alterações climáticas

há mão humana
no abandono
no desleixo
no é meu
aqui mando eu

há mão humana
no crime

há mão humana
nos salvamentos
no heroísmo
na impotência
no espanto

no que resta nas cinzas
onde descobrem nome
há mão humana

há mão humana
há mão humana
há mão humana

não conheço outra

(torreira; 2014)

https://ahcravo.com/2017/10/16/maos-de-mar-31/

domingo, 15 de outubro de 2017

quando tudo arde



achegar



quando tudo arde
salgam-se as terras
de cinzas

a beleza do sal
é memória
de dias solares
límpidos

toma-a

(armazéns de lavos; figueira da foz; 2017)

https://ahcravo.com/2017/10/15/a-beleza-do-sal-21/

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

eu tenho um sonho



como os barcos
assim fossem os homens
não os que neles
que maiores ainda são

dessem-se as mãos
as vontades os quereres
fizessem-se actos
as palavras ditas semeadas
esparsas solitárias

soubessem-se moliceiros
todos
diriam em voz de se ouvir

"somos esta terra
a sua memória o seu futuro
merecemos mais"

(murtosa; regata do bico; 2017)

https://ahcravo.com/2017/10/13/os-moliceiros-tem-vela-279/

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

destino de pescador




não têm nome
são pescadores
só o mar a areia e o norte
os conhecem

quando por feitos
direito tiveram
a nome e o publicaram
a terra esqueceu-os

partem sempre um dia
humanos que são
perdem-se no nevoeiro
que sobre eles lançam

aqui estão todos
os que foram
os que ainda são
os de amanhã

não têm nome
não sei se o terão

(torreira; 2016)

à memória de cipriano brandão (gamelas)

https://ahcravo.com/2017/10/12/cronicas-da-xavega-212/