quarta-feira, 5 de setembro de 2012

semana



segunda, 
porque não primeira? assusta, derruba convicções, te leva à senzala de obrigações nem sempre benfazejas, mas embala
cala em nossa alma como a largada para a corrida da vida
que se não finda bem-vinda é
terça,
suba um dia ou desça outro, 
importa é seguir, afoito? bem, como tudo que vivemos a 2 012 km por ano, 
insanamente honesto protesto que ao meio chegue
quarta,
assim na lata? mal comecei e já vislumbro o fim, longe da dor do primeiro e perto do ócio finaleiro
quinta?
não minta, diga-me que o final se apróxima ou te devoro...
me apavoro só em olhar ponteiros de poucas voltas, remotas
para tudo se acabar na sexta-feira,
a letra não era essa, mas a gente vai levando,
nadando a corredeira rio abaixo me encaixo para derradeiras horas bolas,
tomo n'alma a balsa que vai me levar ao nada sabático em meio a brumas que me insistem em perseguir
me sinto na cama de elástico,
paro escuto estático
aquela música do plástico
acabou o sossego começou o Fantástico, vou ter que reclamar de novo?