segunda-feira, 6 de maio de 2013

nevoeiro



nevoeiro


perdem-se os olhos
no serem só ali
tão perto
tão quase nada

mar de segredos
mar de medos

ouvem-se as vozes
pressente-se quase tudo
silenciaram o sol
o que vêem estes homens
que eu não?

sentem o mar
o vento o sal
lêem-nos
desde crianças

o banco da escola
por sobre as ondas
o mestre
o arrais da companha

desaprendi tudo


companha do marco; torreira; 2009