terça-feira, 4 de março de 2014

do ficcionado (des)equilibrio



(o meu amigo salvador belo, cuja posição me provocou esta meditação)


a tua casa
a tua vida
o teu lugar onde
és o que
o teu contexto
de sobrevivência

quanto custa seres
aqui?
o que és se aqui
não for?

sobreviver
não é subservir

o homem
é ele e a sua palavra
onde quer que
desconhece outra geografia
que não a do que pensa

a verdade não é localizável
no mapa dos interesses locais
é
mesmo que a sonegues
ou
propositadamente a ignores

partiu-se um vidro na janela
era o teu nome


http://ahcravo.wordpress.com/2014/03/04/do-ficcionado-desequilibrio/