sábado, 16 de maio de 2015

momentos de mar


o espelho do pescador é salgado



crónicas da xávega (65)



momentos de mar

a espuma adormece na areia
o cansaço de tanto andado

uma gaivota deixa o bando
primeiro passo para a liberdade

ao longe um barco acena
promessas de viagens a fazer

no céu uma nuvem brinca com o sol
e eu perco-me de tanto infinito

(torreira; companha do marco; 2012)

https://ahcravo.wordpress.com/2015/05/16/cronicas-da-xavega-65/