sexta-feira, 8 de maio de 2015

o mar de longe




crónicas da xávega (63)


o mar de longe

escrevo-me perdido na cidade
afogado em betão
morrendo os dias descontados

oiço o mar em mim

(torreira; companha do marco; 2013)

https://ahcravo.wordpress.com/2015/05/08/cronicas-da-xavega-63/