segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

até um dia

o stalone agarra o calão e o ti américo desata o nó que prende a corda do arinque do reçoeiro



crónicas da xávega (122)


até um dia

maiores que o mar
efémeros como a espuma
enterram na areia

os pés

espero os dias de sol
encharcados de sal
para os reencontrar

um dia  


(torreira; companha do marco; 2012)


o stalone agarra o calão e o ti américo desata o nó que prende a corda do arinque do reçoeiro

http://ahcravo.com/2016/01/04/cronicas-da-xavega-122/