segunda-feira, 26 de março de 2018

o brilho do sal





súbito
tudo é nada

do pouco
que na mão
num sopro tudo
se foi

a memória resiste
onde o presente
abraça o espanto

uma mão parada
no tempo
ainda te acaricia

no brilho do sal
a luz refaz-se
para ser sol


no brilho do sal

(morraceira; rer; 2016)

https://ahcravo.com/2018/03/26/a-beleza-do-sal-42/