sexta-feira, 8 de junho de 2018

impossível





impossível safar a vida
como quem redes safa

as mágoas que nas malhas
dos dias presas ficaram
não há mãos que as tirem
gestos que as sacudam
arredem para longe

límpidos ficassem os dias
de o terem sido sempre

estar vivo por vezes dói
safassem-se e outro seria
o que nestas palavras
preso ficará sem remédio

impossível safar a vida
como quem redes safa

(torreira; safar redes; 2013 )

https://ahcravo.com/2018/06/08/postais-da-ria-257/