terça-feira, 4 de setembro de 2018

Museu Nacional do Rio de Janeiro pega fogo



“Todos que por aqui passem protejam esta laje, pois ela guarda um documento que revela a cultura de uma geração e um marco na história de um povo que soube construir o seu próprio futuro”. (Inscrição na entrada do Museu Histórico Nacional)

🔥Queimamos o quinto maior acervo do mundo;

🔥Queimamos o fóssil de 12 mil anos de Luzia, descoberta que refez todas as pesquisas sobre ocupação das Américas;

🔥Queimamos murais de Pompeia;

🔥Queimamos o sarcófago de Sha Amum Em Su, um dos únicos no mundo que nunca foram abertos;

🔥Queimamos o acervo de botânica Bertha Lutz;

🔥Queimamos o maior dinossauro brasileiro já montado com peças quase todas originais;

🔥Queimamos o Angaturama Limai, maior carnívoro brasileiro;

🔥Queimamos alguns fósseis de plantas já extintas;

🔥Queimamos o maior acervo de meteoritos da América Latina;

🔥Queimamos o trono do rei Adandozan, do reino africano de Daomé, datado do século XVIII;

🔥Queimamos o prédio onde foi assinada a independência do Brasil;

🔥Queimamos duas bibliotecas;

🔥Queimamos o pergaminho datado do século XI com manuscritos em grego sobre os quatro Evangelhos, o exemplar mais antigo da Biblioteca Nacional e da América Latina;

🔥Queimamos a Bíblia de Mogúncia, de 1462, primeira obra impressa a conter informações como data, lugar de impressão e os nomes dos impressores, os alemães Johann Fust e Peter Schoffer, ex-sócios de Gutemberg;

🔥Queimamos A crônica de Nuremberg, de 1493, considerado o livro mais ilustrado do século XV, com mapas xilogravados tidos como os mais antigos em livro impresso;

🔥Queimamos a Bíblia Poliglota de Antuérpia, de 1569, obra monumental do mais renomado impressor do século XVI: Cristóvão Plantin;

🔥Queimamos a primeira edição de “Os Lusíadas”, de 1572;

🔥Queimamos a primeira edição da “Arte da gramática da língua portuguesa”, escrita pelo Padre José de Anchieta em 1595;

🔥Queimamos o “Rerum per octennium...Brasília”, de Baerle (1647), com 55 pranchas a cores desenhadas por Frans Post;

🔥Queimamos um exemplar completo da famosa Encyclopédie Française, uma das obras de referência para a Revolução Francesa;

🔥Queimamos o primeiro jornal impresso do mundo, datado de 1601.


O Museu Nacional do Rio de Janeiro, consumido por um incêndio na noite deste domingo (02/09/2018), contava com um dos maiores acervos de antropologia e história natural do país - eram cerca de 20 milhões de itens.
Localizado na Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão, era o museu mais antigo e uma das instituições científicas mais importantes do Brasil.
Fundado por Dom João VI, no dia 6 de agosto de 1818, o museu acabara de completar 200 anos, no início do mês passado.
Fonte: Texto de autoria desconhecida (extraído do WhatsApp), em 04 de setembro de 2018.