quinta-feira, 27 de setembro de 2012

[Comunidade Bahá'í do Brasil] Crescimento Orgânico das Atividades Centrais

[Comunidade Bahá'í do Brasil] Crescimento Orgânico das Atividades Centrais:



73458_vetor_freepik
*************************************************************************************************************************


Assunto-´Comunidade Bahá'i do Brasil 
Crescimento Orgânico das Atividades Centrais

 Crescimento Orgânico das Atividades Centrais



Crianças, jovens e adultos transformando a realidade



De norte a sul do Brasil, mais e mais pessoas estão participando das atividades promovidas pela Comunidade Bahá’í. As atividades centrais1, como são conhecidas, oferecem uma oportunidade para crianças, adolescentes e adultos aprimorarem percepções espirituais e colocarem seus talentos a serviço da sociedade. As pessoas que participam destas atividades sentem-se confiantes em sua responsabilidade e habilidades para contribuírem ativamente para o bem-estar da sociedade em que estão inseridas. A maioria dos participantes naturalmente se interessam em promover atividades nas vizinhanças e convidam os amigos para ingressarem no processo de aprendizagem coletiva.

Em Aracaju (SE), um grupo de pessoas que terminou o círculo de estudo que promove Reflexões sobre a Vida do Espírito2 demonstraram interesse em promover reuniões devocionais perto de onde moram ou trabalham. “Caso isso aconteça, essas reuniões devocionais se somarão a outras sete que já acontecem na região de Aracaju e São Cristovão, envolvendo um total de 140 pessoas de várias religiões”, conta Fátima Fontes, do agrupamento Jardim de Ridván. “Os temas tratados pelos participantes deste círculo de estudos e a própria experiência deles em reuniões devocionais das quais tem participado os inspiram a quererem compartilhar os benefícios da oração com mais gente”, observa Fátima.
E não são só os adultos que se beneficiam desse tipo de atividade. As crianças da região de Aracaju que participam das aulas de educação espiritual e a garotada de 10 a 14 anos que faz parte dos grupos de pré-jovens também gostam de frequentar as reuniões devocionais. “Inclusive, costumam apresentar alguma atividade artística ilustrando conceitos que aprenderam em seus grupos”, destaca Fátima.
Raimunda Moreira, Coordenadora do Programa de Empoderamento Espiritual de Pré-Jovens da Região Norte, relata que as crianças que começaram nas aulas de educação espiritual há alguns anos em São Luiz (MA), agora estão em grupos de pré-jovens. “Nove delas, quando já tinham um pouco mais de idade, quiseram participar dos círculos de estudo, que é voltado para adultos, e seis estão em treinamento para se tornarem monitores”, destaca Raimunda, do agrupamento Rouxinol do Paraíso.
Cleres Ribeiro é diretora da rede pública municipal de São Luiz, responsável pela Unidade de Educação Básica Professora Camélia da Costa Vieiro (UEB). Ela relembra que as atividades centrais foram apresentadas à escola em 2008. “Imediatamente as portas foram abertas e 200 pessoas começaram a participar”, conta ela. “Todos nós acreditamos no potencial das crianças e pré-jovens, e eles estão dando uma resposta muito boa ao programa desenvolvido pelos bahá’ís”, relata. “Eles estão mais disciplinados, reconhecem o seu papel como cidadãos, acreditam nas suas capacidades e consequentemente, o rendimento escolar aumenta”.
O senso de cidadania observado por Cleres no Maranhão também é notável nos pré-jovens de Tangará da Serra (MT) . Danilo Oliveira, de 14 anos, conta que o programa mudou sua vida para melhor. “Agora tenho muito mais educação e sou uma pessoa que busca o bem de todos”, diz o rapaz. Gisllany Bezerra, também de 14 anos, comenta que as lições do livro Trilhando o Caminho Reto ajudam a entender, com base em fatos da realidade, que a mudança do mundo é realmente possível. “Estamos mais preparados para conviver em harmonia com familiares, amigos, colegas e
desconhecidos”, ela acredita.
A transformação na atitude dos participantes das atividades centrais é marcante também entre adultos. Isso é fruto do constante acompanhamento dos facilitadores das atividades, além do encorajamento e apoio que oferecem quando alguém reconhece que pode ser um agente de transformação, decidindo oferecer alguma atividade para seus amigos e familiares. Mais importante que isso, a transformação acontece porque os participantes tomam consciência da importância da educação espiritual, como explica Maria Rosa Zanão Augusto, Coordenadora de Círculos de Estudos que envolvem quase 40 pessoas na região de Mogi Mirim e Mogi Guaçu (SP). “A transformação é percebida pelos facilitadores assim como pelos parentes e amigos dos participantes. Eles relatam que seus amigos e familiares comentam que estão ‘diferentes’, e ficam contentes com esses comentários”, afirma Maria Rosa, do agrupamento
Rio da Vida Eterna.
Na medida em que a percepção espiritual de um número cada vez maior de crianças, jovens e adultos desabrocha com a ajuda das atividades centrais, é natural que mais monitores e facilitadores, de todas as idades e com diferentes histórias de vida, se somem ao conjunto de promotores e participantes em uma comunidade.
Assim, as pessoas aprendem juntas como melhor contribuir para a sociedade, cada um desenvolvendo o seu próprio potencial e talentos e ajudando a revelar e fortalecer os dos demais. É o que vem sendo observado nas comunidades de Sapucaia do Sul, Canoas, Esteio e Porto Alegre, cidades que formam o agrupamento Portal da Glória (RS). A cooperação entre os membros da comunidade ajuda a fortalecer o sistema de transformação individual e coletiva.
A Casa Universal de Justiça aponta que a melhora do mundo depende da disponibilidade de três atores – o cidadão, a nação e as instituições da sociedade – para atuarem como partes interdependentes de um todo orgânico. “Enquanto as mentes dos homens não se unirem, nada de importante se realizará. Atualmente, a paz universal é uma questão de grande importância, mas a unidade de consciência é essencial, de modo que se tornem seguros os alicerces desta questão, firme seu estabelecimento e robusto seu edifício”, observou ‘Abdu’l-Bahá3.
Esse artigo foi publicado no Bahá'í Brasil Nº 34, nas páginas 4 e 5.


1 As atividades centrais promovidas pela Comunidade Bahá’í são o foco de sua ação social. As aulas para crianças e os grupos de pré-jovens são voltados para a educação espiritual, utilizando artes e contação de histórias como ferramentas para desenvolver o potencial dessas duas faixas etárias. Os bahá’ís promovem ainda círculos de estudo sobre temas espirituais, reuniões de oração e meditação ecumênicas voltados para o público adulto. As atividades são abertas ao público e estão disponíveis gratuitamente em todas as regiões do país. Para saber mais, entre em contato com a comunidade Bahá’í mais próxima ou escreva para info@bahai.org.br.
2 Reflexões sobre a Vida do Espírito é o primeiro de uma série de livros desenvolvidos pelo Instituto Ruhí de Capacitação, utilizados em círculos de estudo promovidos pelos bahá'ís em mais de 180 países e territórios ao redor do globo.
3 Filho de Bahá`u`lláh, Fundador da Fé Bahá’í - nasceu em Teerã, na antiga Pérsia, atual Irã. É reconhecido como o perfeito exemplo da vida bahá’í. ‘Abdu’l-Bahá foi apontado por Seu Pai como o Interprete de Seus Ensinamentos e o Centro de Seu Convênio.
Jordana Araújo

Assessoria de Comunicação
Secretaria Nacional de Ações com a Sociedade e o Governo - SASG
Comunidade Bahá'i do Brasil
(+55 61) 3255 2200 / 8188 0239

*************************************************************************************************************************** Informações sobre estas ações em Londrina através do e-mail
Sonia


Permalink

| Leave a comment  »



Atom