domingo, 1 de junho de 2014

continuo eu



a ria de aveiro, essa provocadora de sensações


que mais me resta senão
inventar
dia a dia o dia em que
pinto tudo de novo
como se casa minha
habitada por

e vou por aí
com os sonhos no peito
emprestando a ilusão
de que tudo é belo
e a serenidade algo tão natural
como o seu inventar

aquietadas as angústias
abro os braços
e abraço o vazio

continuo eu

(ria de aveiro; torreira)

http://ahcravo.wordpress.com/2014/05/31/continuo-eu/