terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Recife Nau

Recife Nau
Corto as ruas imundas e alagadas do Recife
Trago o peso do mundo nos ombros
Nas mãos livros!
Na boca verso!
Na mente revolta ...
pela infâmia
pela injustiça
Recife com seus prefeitos imperfeitos
Sem corações e sem rins
Recife é um esgoto a céu aberto
Seus livreiros são canalhas
Porcos analfabetos funcionais
Vendem papel
Pensando que são livros
O que entendem de cultura?
E de arte?
Choro as lágrimas invisíveis da tristeza
Tenho fome
Tenho sede
Mas não só de pão
Tenho desejos de ver flores e pássaros
De ver beleza!
E não a podridão desta cidade
Que transforma pessoas em coisas feias de se ver
Ando pelo Recife com desejo
De nunca mais vê-la ...

-MIGUEL VIEIRA-



 " Num dia de Sol, Recife acordou
Com a mesma fedentina do dia anterior. "