segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

ADVÉRBIO


Não voltamos ao passado,
Lembramo-nos apenas os fatos mais marcantes,
Ou o que mais nos chamou à atenção,
Não temos mais a atenção do passado,
E o passado parece está cada vez mais distante,
Não se vê o passado com o sorriso do passado,
Com seus cabelos que nunca disseram sim para o futuro,
Não se sente mais o cheiro do passado,
Apenas temos que caminhar,
E o mais triste, é; o que fizemos para o futuro?
O que construímos lá traz que fez a diferença?
Em sentir, e ao mesmo tempo não se sentiu nada !
Não se vive nada desse mesmo desejo,
Inclusive, desejo que nunca acaba,
Talvez por uma palavra dada,
Tenhamos que conviver em segredo,
Com o pensamento preso,
Mas como se vive sem o sentimento mais valioso da face da terra?
Já parece impossível,
Pela construção do caráter,
Que esteja perto o sonho distante,
E a pessoa também,
Que fica no sonho cada vez mais,
E o caráter não deixa chegar mais perto,
Nem tão pouco nos dá coragem
Para desabafar com o advérbio
Mais querido e mais desejado,
Bendito seja os que não são politicamente corretos,
Os que ultrapassam as barreiras do medo,
Os que ultrapassam seus próprios bloqueios,
Em busca da felicidade,
O passado começa com P,
A décima quinta letra,
É impar é incomparável,
E um dia de tão exaltada
De tão enaltecida,
Ficou intocável inacessível e está no passado.


-SIDRAC