quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

ser sempre


pesados caminhos




crónicas da xávega (115)


ser sempre

saber-me ínfimo no infinito
construir os dias com a arte
de sobreviver em cada

ser sempre

(torreira; companha do marco; 2015)

http://ahcravo.com/2015/12/02/cronicas-da-xavega-115/