terça-feira, 15 de novembro de 2016

mãos de dar




mãos de mar (3)


mãos de dar

não
não me arrependo
de serem de dar as mãos
que me deram

nos cotos
dos braços que me levaram
outras mãos nasceram
para continuarem a dar

haverá amargura
por dentro dos dias agora
mas brilha nos olhos
o sol de sempre

o tempo
que nunca caberá nas mãos
é oferta impossível

usaram-no mal

(torreira; 2016)

https://ahcravo.com/2016/11/15/maos-de-mar-3/